Benavente: Assaltou banco para dar de comer à família

O homem que assaltou um banco disfarçado de pescador e empunhando uma caçadeira, em Samora Correia, disse esta quinta-feira em tribunal que o fez num acto de desespero por não ter trabalho nem dinheiro para dar de comer à família.

Nelson Pita, 38 anos, mostrou-se “arrependido e envergonhado” tendo confessado praticamente tudo o que consta da acusação do Ministério Público (MP).

O arguido apenas contrapôs em dois pontos: referiu que decidiu efectuar o assalto no próprio dia e não cinco meses antes, e explicou que, quando abandonava o banco, “benzeu-se” e pediu “perdão” aos funcionários e clientes.

Depois do arguido, que se encontra em prisão preventiva, foi ouvido o médico que o seguia, o qual adiantou que o seu paciente tomava medicamentos para a depressão. Na sua confissão, Nelson Pita adiantou que no dia do assalto tomou “quatro ´xanax´”.

Tendo em conta estes dados, a presidente do colectivo de juízes, Carla Ventura, ordenou a realização de uma perícia médico-legal ao arguido, no sentido de se determinar o “grau de inimputabilidade” do autor confesso do crime.

Nelson Pita classificou o assalto como um “ato de desespero” por estar desempregado há quase um ano e “não ter dinheiro para sustentar a família”. Disse que um dia antes do assalto, 15 de Dezembro de 2011, tinha 42 euros na conta bancária.

De acordo com a acusação do Ministério Público, o arguido planeou o assalto com cerca de cinco meses de antecedência. Comprou uma caçadeira semiautomática de calibre 12 milímetros, munições e fez um silenciador com um tubo de escape de uma motorizada.

In:www.cmjornal.xl.pt