Mulher acusada de deixar morrer bebé de três anos com metadona

O Ministério Público acusou uma mulher de 43 anos pela prática de um crime de homicídio negligente de um menor de três que ingeriu metadona, segundo uma nota publicada, esta quinta-feira na página da internet da Procuradoria Geral Distrital de Lisboa.

onte ligada ao processo disse à agência Lusa que se trata de um caso ocorrido em dezembro de 2011, na zona do Lumiar, em Lisboa. A mesma fonte adiantou que a arguida é tia da vítima.

De acordo com a nota da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), a criança estava à guarda da mulher, na casa que a mesma partilhava com a mãe da criança.

A PGDL refere que ficou “suficientemente indiciado” que a criança teve acesso a um frasco de metadona, tendo ingerido o líquido sem que a arguida o impedisse.

“A arguida não providenciou pela imediata assistência médica da criança, como era seu dever, deixando-a a dormir. Horas depois foi confirmada a sua morte provocada por intoxicação aguda em consequência da ingestão da metadona”, lê-se na nota.

A mulher “violou os deveres de cuidado que lhe incumbiam”, uma vez que sabia que a criança tinha ingerido a metadona e mesmo assim nada fez, do que resultou a morte do menor, acrescenta a PGDL.

A investigação foi dirigida pela 7.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa e executada pela Polícia Judiciária.

In:www.jn.pt